Arthur, o verme e o fim do mundo

Antes de começar, uma citação:

Mas, verme é verme, é o que é
Rastejando no chão, sempre embaixo do pé

Racionais MC’s – Vida Loka (parte 1)

Eduardo Bolsonaro, o verme, ao comentar a possibilidade do ex-presidente Lula participar da cerimonia de cremação de seu neto Arthur, disse o seguinte:

Verme é verme…

De verdade, a falta de humanidade desse verme, relata o momento atual do Brasil: um pais falido, odiento, desumano, sem qualquer tipo de empatia mínima, nem nas piores dores de pessoas que foram classificadas como inimigas da nação, seja essa qual for. Pessoas que comemoram a morte de uma criança como um filho da puta a menos. Não veja as imagens abaixo se você se impressiona com a falta de amor do ser humano.

Lula não pode acompanhar a cremação do neto porque a juíza Cláudia Lebbos permitiu que ele ficasse apenas 1h30 no velório. Ficou a madrugada no hangar esperando para que o tempo de chegada e saída fosse dentro desse período. Podia ficar apenas até as 11h, e a cremação foi as 12h. Pequena, uma juíza pequena em sua presunção de saber qual o tempo para alguém velar seu neto. Pequena…

No natal, seu neto Arthur e a bisneta de Lula foram visitá-lo no natal, porém foram impedidos de entrar.

Foram 275 policiais destacados para acompanhar um idoso de 73 anos. Na sala, não poderiam ficar ninguém além da família. Não se pode tirar nenhuma foto. Você consegue entender porque a dor de Lula não poderia ser registrada, numa tentativa clara de sumir com a sua imagem?

Um sorriso, quando estava embarcado no helicópitero que o levaria para o aeroporto no Paraná, foi interpretado como Lula não estando tão abatido assim, e ao acenar para as pessoas que estavam no cemitério, um ato político. O que exatamente se passa na cabeça dessas pessoas ao intepretar tantas coisas em dois momentos diferentes. Se você acha que eu estou exagerando, procure no vídeo da matéria do Jornal Hoje alguma imagem dele, que não sorrindo ou acenando. Em tempo: sua imagem na saída é de desolação, mas não foi mostrado.

Ativado os robôs, começou a chover as fake-news: foto dele em outro velório rindo, que seu governo retirou a vacina contra meningite, que o piloto do avião se recusou a cumprimentá-lo. Sem base legal, a ordem era para que ele não aparecesse em publico e nem pudesse acenar.

A desumanização do inimigo é uma tática conhecida dos desalmados. Hitler usou e abusou para cometer as atrocidades contra os judeus. Fazer isso com Lula, só demonstra o medo do lider político.


3 respostas a “Arthur, o verme e o fim do mundo”

  1. Texto lindo!
    Será possível que as pessoas consigam separar amor e política? O ser humano está muito preocupado em apenas criticar, isso não vos dá tempo para pensar em amor!

    Isso não tem a ver com verme, não tem a ver com PT, não tem a ver com o Lula, muito menos com política!
    Se outros presos conseguem ou não ir ao velório de uma pessoa querida, não vem ao caso! Deveríamos pensar: que bom que ele pôde ir! Quem bom seria se todos tivessem a mesma oportunidade.
    Seria fantástico usarmos uma situação dessas para melhorar o direito de quem não tem, ao invés de querer tirar o direito dele de ter conseguido.

    Em fim… Assunto de páginas e páginas! Um leque que eu tenho até preguiça de abrir pq as pessoas não são capazes de compreender ou de ao menos ouvir! São engessadas, fracas, de pouca fé….

    Só uma última nota: não sou Petista.

    1. Nós estamos tão agressivos que precisamos terminar um texto onde você está defendendo um direito humano, com a ressalva que “não sou petista”. Eu também tenho que terminar assim diversas discussões, porque, qualquer defesa mínima de uma micro dimensão de qualquer coisa estupida, porém a favor de políticos petista, te fazem ser tachados de petistas.

      Uma vez, no primeiro discurso do Temer, eu estava em uma pizzaria e comentei com uma amiga: vamos vaiar. Do outro lado do balcão, um cara me interpelou: Vaiar porque? E eu disse: Também vaiavam a Dilma. E ele começa a discussão com: Eu também já fui do PT…

      Esse mundo virou do avesso…

      1. Acontece que, com minhas palavras, as pessoas certamente diriam “ela diz isso pq é petista” como se uma pessoa só pudesse ser a favor de um “absurdo desses” pq é petista!
        Eu posso defender o oposto se eu achar correto.
        Para defender uma situação, basta estar dentro dos meus princípios e não da minha posição política.
        Mas seria julgada mesmo assim!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *